segunda-feira, 21 de abril de 2008

Poema II

O Puré do Sono



Durante o dia não existo à noite
procuro dormir.

Tocaram os sinais em Condeixa, o Pai
argilou o organismo
o filho disse à mãe
refesca
a erva

Durante o dia não existo à noite
procuro dormir.

O Pássaro sem ninho senão o pássaro

Tirava Um
passe para um busKeaton
outro para a sementeira
do lixo

para o desfalquelore
proporciona aos raios um destino pessoal


Durante o dia não existo à noite
procuro dormir.

Alberto Augusto Miranda

1 comentário:

GPS disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.